A PESCA NA NOSSA TERRA

Ao analisarmos o que, estatisticamente, nos é dado observar, constatamos que a nossa terra está a perder influência no panorama global do país. Sempre fomos, de forma destacada, o segundo porto em matéria de volume de pescado transaccionado em lota, porém, no presente momento, embora continuando a mantermo-nos em segundo lugar, é cada vez maior o distanciamento de Matosinhos, que está em primeiro lugar, e mais curta a vantagem sobre os portos que nos seguem. Significa isto que algo está mal relativamente à nossa terra neste sector, porque o panorama geral ao longo dos últimos 11 anos indica que, entre os oito portos de maior destaque, há seis que têm crescido e dois que têm regredido, estando nós incluídos, infelizmente, nestes últimos dois casos.(Perdemos 340 toneladas ano em 11 anos e 1.623 toneladas em cada um dos últimos 4 anos).
Penso que não teremos abandonado a ideia de que, " A Pesca" ainda deverá ser o suporte económico principal da nossa terra por muito tempo, portanto, estranho que não veja qualquer sintoma de preocupação com isto. Será distracção ou falta de tempo para reflectir?
Para que todos possamos constatar o que fica dito, transcrevo os gráficos que, com os dados estatísticos referidos, produzi.



Coluna 1 – Viana do Castelo; coluna 2 – Póvoa de Varzim; coluna 3 – Matosinhos; coluna 4 – Aveiro; coluna 5 – Figueira da Foz; coluna 6 – Nazaré; Coluna 7 – Peniche; coluna 8 – Cascais; coluna 9 – Lisboa; coluna 10 – Sesimbra; coluna 11 – Setúbal; coluna 12 Sines; coluna 13 – Lagos; Coluna 14 – Portimão; coluna 15 – Olhão; coluna 16 – Tavira; coluna 17 – V. R. S. António.

Comentários