O FENÓMENO DO AUTOCARAVANISMO

(Foto de Carlos Tiago)

Para quem não está identificado com o que representa, no mundo, o fenómeno do autocaravanismo,  convém ponderar no que ele já representa como movimento de interesse económico no campo do turismo. A Europa já conta com cerca de 30 milhões de unidades registadas, o que, em número de pessoas, estará perto de 100 milhões. É, por isso, do interesse das edilidades saber acolher este potencial, para que dele se possa tirar partido. Não convém enveredar pelo caminho da hostilização cega, não deixando de exigir o cumprimento de algumas regras. Nem todos os autocaravanistas têm comportamentos indesejados, como, aliás, nem todos os surfistas também o não têm, por isso interessa tomar o controlo da situação, que, no nosso caso, já é tardio. São muitas as localidades que já criaram áreas de estacionamento organizado, como, aliás, por toda a Europa, e é neste sentido que temos que caminhar. Não tem interesse colocar pórticos de entrada no parque central da nossa cidade e encaminhá-los para o local da feira e, eventualmente, para o “estacionamento do Pingo Doce”.

Comentários

  1. Deixe-me felicitá-lo pela clareza do seu pensamento. É verdade que os autocaravanistas não são todos iguais, que como em tudo, há-os bons e também os há maus.
    Sou autocaravanista e já fiquei uma noite no Parque aqui mencionado. Tive a oportunidade de apreciar uma caldeirada num restaurante em Peniche, do que não teria necessidade uma vez que podemos cozinhar na autocaravana. Mas uma das vantagens e do sabor que tem viajar desta forma é termos a possibilidade de conhecer melhor as terras e os hábitos e costumes e de adquirir os produtos locais (artesanato, gastronomia, etc). Para sorte de todos nós, sempre vai havendo alguns espíritos mais esclarecidos, como o seu. Também não é novidade que os portugueses são e sempre foram, muito tolerantes para os outros, não o demonstrando dessa mesma forma para os seus compatriotas.

    Ainda acredito que os Penichenses acabarão por entender que todos precisamos de todos e que os Autocaravanistas podem trazer muito benefício para a sua Terra.

    ResponderEliminar
  2. De acordo com o comentário de Maria Melo. Não é posto em causa a vinda de autocaravanistas a Peniche, até são bem vindos. Aquilo que está em causa e que se nota mais são o pouco cuidado que alguns têm no despejo dos detritos e a má educação de alguns deles. Peniche sempre soube receber bem, receber bem faz parte da mentalidade do Penicheiro, às vezes até bem de mais. A estes são dirigidas as criticas e só enfia a carapuça quem quer. Pois é caro João ao estacionar o meu " boguinhas " entre duas autocaravanas fui " convidado " a mudar de sítio. Estes são os que eu critico, estes, na minha opinião não fazem falta e a minha opinião vale o que vale. Espero também que a Camara consiga criar condições para receber os autocaravanistas, que o são de facto. Dos outros.....boa viagem.
    Um abraço

    ResponderEliminar
  3. De facto, verifica-se que há autocaravanistas que não primam pelas regras mais elementares de civismo. Por outro lado e, como já foi dito, também são importantes economicamente, pois consomem sempre pelos locais onde passam, quer na restauração e outros. Não podem pagar todos por um.No caso de Peniche, se o autocaravanistas optar por pernoitar no parque de campismo municipal, este parque poucas condições tem; o terreno é arenoso, sombras inexistentes e, quando lá pernoitei os sanitários encontravam-se entupidos e com aspecto de pouca higiene. Pernoitavam lá na altura, meia dúzia de autocaravanas, o que presumo n/ foi obra de tão "indesejáveis senhores".Gosto muito de Peniche, das suas gentes, das suas praias, da sua gastrnomia, mas se colocarem as barras, deixo de visitar esse lindo local, com pena minha.Cumprimentos.

    ResponderEliminar
  4. Quanto às sombras, amigo anónimo, não é por aí que os autocaravanistas não vêm a Peniche. Basta ver a " sombra " que têm, por exemplo, no parque em frente aos bombeiros. Pelos vistos o amigo já não vem a Peniche há alguns anos, o parque de campismo, pelo menos agora, não é tão anti-higienico. Assistindo ao que os autocaravanistas são capazes de fazer no citado parque de estacionamento em frente aos bombeiros, e não medindo todos pela mesma bitola, parece-me que a higiene ( ou falta dela ) mudou de sítio.
    Venha a Peniche que não se arrependerá, não a fazer caravanismo deste, que é uma especie de "campismo selvagem", venha que as gentes de Peniche sabem receber bem, por vezes bem demais.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Este blogue não responde a comentários anónimos e apenas responde a perguntas dos comentadores.