PESCA EXCESSIVA - Desafios e soluções


Este tema não esgota facilmente e, por isso, aqui ficam mais declarações pela responsável europeia das pescas. Será oportuno e útil, para todos nós, se os responsáveis pelo sector, na nossa terra, não perderem de vista o que aqui fica dito.Talvez seja tempo de olharmos para o que é, verdadeiramente, importante.

O que abaixo reproduzimos foi extraído da News Letter 780 de Portos de Portugal:

"Alguns denunciam a pilhagem dos oceanos que leva algumas espécies à beira da extinção. Será possível conciliar os interesses da indústria com as preocupações ambientais? E que dizer da qualidade e segurança do peixe que consumimos? Para responder a estas questões falámos com a Comissária Europeia dos Assuntos Marítimos e das Pescas, Maria Damanaki.
De acordo com a Comissária, “é essencial assegurar que o que tiramos do mar não ameaça as reservas de forma a que estas se consigam reproduzir”. Maria Damanaki defende que “se a reforma da política comum das pescas for implementada, as perspectivas são boas porque após 2022 a maior parte das reservas serão pescadas de forma sustentável. Isto significa que existirão quase mais 30% de postos de trabalho neste sector e os rendimentos dos pescadores aumentarão 24%.”
E quanto à segurança alimentar? Para Maria Damanaki, o primeiro passo é a rotulagem. Para a comissária é essencial que “cada peixe em cada supermercado na Europa tenha um rótulo que identifique se é fresco ou congelado e quando foi pescado”.
Em paralelo, a aquacultura apresenta possibilidades que poderão aliviar as pressões sobre as reservas piscícolas no mar."
Veja uma entrevista em vídeo no caminho abaixo:




Comentários