Oficina Atlântico sobre os fundos comunitários


Data:   segunda-feira 17 fevereiro de 2014 (9h30-17h30)
Localização: Centro de Conferências A. Borschette (2 º andar, sala AB-2D), rue Froissart 36, 1049 Bruxelas, Bélgica
Agenda pdf - 14 KB [14 KB] 
Interpretação : Inglês, Francês, Espanhol e Português

Fundo
A Comissão Europeia está a organizar um workshop sobre como assessorar e mobilizar os fundos da UE para prosseguir a implementação do Plano de Acção para a Estratégia Marítima na área do Atlântico.
Fundos da UE geridos directamente (ou seja, os que são geridos pela Comissão) são aqueles para o ambiente (LIFE +), o programa de financiamento da investigação e inovação da UE (Horizonte 2020), o programa para ajudar as empresas e as PME (COSME) e uma parte da Agência Europeia e Fundo Europeu das Pescas (FEAMP). Além disso, o Banco Europeu de Investimento pode mobilizar suas ferramentas e conhecimentos de financiamento em apoio de projectos adequados a fim de promover as prioridades do Plano de Acção.
Fundos comunitários que são cogeridos pelos Estados-Membros (os chamados Europeia estruturais e fundos de investimento: o Fundo Europeu dos Assuntos Marítimos e das Pescas, o Fundo Europeu para o Desenvolvimento Regional, o Fundo Europeu Agrícola de Desenvolvimento Rural e do Fundo Social Europeu) podem também ser postos em prática na implementação do Plano de Acção. Os programas operacionais estão sendo desenvolvidos a nível nacional e regional para a implementação destes fundos. Será importante que eles também tenham em conta o Plano de Acção Atlântico.
Objectivo
objectivo da oficina é proporcionar aos participantes interessados ​​na área do Atlântico uma melhor compreensão de como as acções propostas poderiam ser financiadas por  fundos comunitários geridos directamente e co gerenciados e partilhar as melhores práticas na preparação de programas operacionais.
Público-alvo
Agentes públicos e organizações (por exemplo, autoridades nacionais, regionais e locais) responsáveis ​​pela elaboração e implementação de planos de gastos (por exemplo, os programas operacionais regionais), abrangendo os fundos da UE.
Outras partes interessadas envolvidas na concepção e implementação de projectos que podem beneficiar de financiamento da UE (por exemplo, centros de investigação, instituições financeiras, associações europeias e nacionais, empresas privadas).

NOTA PESSOAL - Penso que este texto tem interesse e deveriam ser exploradas as possíveis oportunidades de desenvolvimento que podem representar muito para a nossa terra, assim existam projectos.

Comentários