Não sei como classificar:



O meu país não tem culpa das tragédias que vou procurar transmitir-vos, mas alguém está abusando da paciência dos portugueses, como eu.
Tenho uma palmeira no meu jardim e, há já dois anos, tenho tratado dela a ponto de ter sido resgatada a sucessivos ataques do, maldito, escaravelho vermelho.
Também, por questão de gosto pessoal, possuo um aquário onde mantenho, desde há quarenta anos, três dezenas de peixes ornamentais.
Para o exercício deste meu direito sempre recorri ao uso dos medicamentos e produtos necessários para manter a sua boa saúde, provando que, pelo menos, sei ser responsável.
No espaço de um mês, fui surpreendido com duas situações que fazem de mim um criançola qualquer, daqueles que não sabem porque andam neste mundo e vai daí:
Quando me dirigi a uma casa que vende peixes ornamentais, produtos e acessórios para quem os pretenda, deparei, quando solicitava a venda de um dos produtos que utilizo há quarenta anos, com a pergunta da senhora funcionária no sentido de saber se eu era portador de receita passada por um veterinário.
Posteriormente, quando pretendi adquirir os produtos que, há dois anos, utilizo para matar o escaravelho vermelho, perguntaram-me se eu tinha carta de aplicador, sem o que eu não tenho acesso aos medicamentos e terei que recorrer aos serviços de um aplicador encartado, que até pode ser menos consciente do que eu próprio me considero.
O amigo leitor está mesmo a ver eu com um saquinho na mão, onde transportarei o peixinho doente a caminho do veterinário, para que ele lhe tire a febre e o ausculte, a fim de passar a receita adequada.
No caso da palmeira, porque a primeira coisa que fiz quando pressenti que estava atacada foi recorrer a uma empresa especialista e obtive por resposta que não se deslocavam para tratar apenas uma unidade, meti, eu próprio, mãos à obra, felizmente com êxito e tomando todas as precauções para não atingir estranhos.
Agora neste último caso não sei se o que se pretende é não ofender o escaravelho, por ser vermelho, ou se há mais alguma circunstância que eu não esteja a atingir.
O que sei, senhores que governam o meu país e mais os que, a mando destes, abusam da paciência do infeliz contribuinte que lhes paga o chorudo e, muitas vezes, imerecido ordenado mensal, é que eu não vou chamar ao meu país aquilo que me apetece chamar a vocês, seus incompetentes.
Penso que, se não estivessem apenas a defender os interesses corporativistas de um conjunto de amizades, que lhes retribuem com outras tantas amizades, bastaria que me obrigassem, como cidadão responsável do meu país, a assinar uma declaração, com todos os princípios que entendessem, a assumir a responsabilidade dos actos que pretendo praticar, estariam a reconhecer o mais elementar direito de cidadania a que qualquer português tem direito, o ser responsável.

Comentários

  1. Amigo João Avelar: Passei por uma situação semelhante ao pretender adquirir herbicida ,o qual uso à 40 anos, para me livrar de ervas daninhas que me vão aparecendo no jardim.Será necessário um curso de não sei quantos dias/noites com um custo de 170 Euros!!!!Procurei informação complementar pelo que soube que é legislação com cerca de dois anos só que agora é que está ser controlada pela GNR. Tambem fiquei a saber porque é que a nossa cidade está coberta de ervas. Cumprimentos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. De salientar que o Município possui funcionários legalmente habilitados para o desempenho da acção em questão, aos quais pagou a dita formação. Por conseguinte, não é por esse motivo que a cidade se encontra coberta de ervas; talvez seja por se encontrar coberta de nabos....

      Eliminar

Enviar um comentário

Este blogue não responde a comentários anónimos e apenas responde a perguntas dos comentadores.