AS ACTAS DA CÂMARA


18) Fortaleza de Peniche – Pelouro da Cultura: ---------------------------------------------------------
Deliberação n.º 1437/2017: O senhor Presidente da Câmara deu conhecimento do ponto de situação do processo referente à Fortaleza de Peniche.

No dicionário e para quem sabe português:

Deliberar – Resolver; Decidir;

Nem o senhor Presidente nem a Câmara deliberaram nada, o senhor Presidente informou.

Estamos perante a informação nº tal, se quiserem.

O que se passa relativamente à nossa fortaleza e Museu Municipal continua no segredo dos deuses, que têm a exclusividade da informação.

O MUSEU DE PENICHE e o encerramento da fortaleza



Já vai passando algum tempo e, o elenco que governa a câmara, não esclarece o povo de Peniche, que o elegeu, acerca do que vai acontecer ao Museu de Peniche, instalado na fortaleza e que, dado o encerramento desta, não é possível ser visitado.

Seria com a mesma ligeireza que se encerraria o Museu da Resistência no caso de a Câmara Municipal ter necessidade de o fazer?

Não convém comprometimentos?

Há medo de represálias?

Esta situação permite que sejam feitas as mais diversas conjecturas acerca do que se pretende que aconteça.

No meu entendimento está a provocar-se o esquecimento dos factos para que, pela calada da noite, como tem sido hábito e prática corrente deste governo, decidir-se pelo seu encerramento, contando, obviamente, com a habitual apatia deste povo de brandos costumes.

O esvaziamento da fortaleza de tudo o que não seja o museu da resistência está na linha do horizonte dos usurpadores daquele nosso monumento. (O último foi o Estúdio de Dança).

E nem é preciso que o António Costa, de cabeça baixa e em obediência a quem o mantém no poder, venha cá fazer mais um conselho de ministros, acabando o que começou.

A NOSSA FORTALEZA e os seus sinais fúnebres.


(As minhas desculpas pela vastidão do escrito, mas o interesse assim o impõe) 

 Chegados que somos à situação em que se encontra a nossa FORTALEZA resta-nos esperar que alguém ou o tempo, consiga o milagre de inverter o que os seus algozes lhe provocaram.

 Em boa verdade se conseguiram chegar ao ponto a que chegaram, muito se deve à criminosa participação de alguns, que se passam por penicheiros, e muito contribuíram para que os invasores do nosso território houvessem conseguido os seus objectivos.

 A nossa história está recheada de “Miguéis Vasconcelos” e a de Peniche não lhe foi excepção.

 Então, para que todos fiquemos a saber como a coisa se passou, vou procurar ordenar alguns factos e atitudes de gente (da nossa terra?) e alguns responsáveis governativos, para que se perceba a evolução última da situação:

 Partamos da altura em que foi anunciada a inclusão da fortaleza no programa “Revive”.

 Assembleia Municipal de Peniche * Acta da Reunião de 30.09.2016 

http://www.cm-peniche.pt/Reunioes/?c=2007 

Será útil ler o conteúdo das intervenções dos representantes dos partidos e, já agora, do então Presidente da Junta de Peniche. 

FORTALEZA DE PENICHE e “PARTICIPAÇÃO PÚBLICA” – 28.12.2016 

http://www.cm-peniche.pt/Participacao-Publica--Fortaleza-de-Peniche 

 É bom que se pondere o conteúdo das intervenções de todos os partidos.

 Grupo Consultivo da Fortaleza de Peniche – 07.04.2017 

 No gabinete do Ministro da Cultura é formado o grupo consultivo, constituído por 10 elementos individuais e representativos de vários organismos, entra eles um ex-preso político e um membro da URAP-União dos Resistentes Antifascistas Portugueses e ainda o António José Correia, referido como Presidente da Câmara de Peniche e cujo mandato não consegui descortinar que tenha sido atribuído por algum órgão local.
Também a constituição do grupo não vejo que tenha sido discutida localmente
.
CÂMARA MUNICIPAL DE PENICHE * Ata da reunião de 15.05.2017 * Livro 108 * Fl. 39020) 
Fortaleza de Peniche – Pelouro da Cultura: --------------------------------------------------------- Deliberação n.º 597/2017: 

 http://www.cm-peniche.pt/Reunioes/?c=2 

 Ao lerem a deliberação supra indicada vão concluir que a situação actual da nossa fortaleza teve o apoio e votos favoráveis de António José Ferreira Sousa Correia Santos, Jorge Alberto Bombas Amador, Maria Clara Escudeiro Santana Abrantes, Jorge Manuel Rosendo Gonçalves, Sandra Cristina Machado Matos e duas abstenções, do meu ponto de vista absurdas e incompreensíveis de Cristina Maria Luís Leitão e Filipe Maia de Matos Ferreira Sales.

 E não vou, por agora, alongar mais este escrito, apenas vou acrescentar que enquanto a nossa terra não contar com homens de caracter e com duas bolinhas entre as pernas, não vai passar desta mediania, senão, retrocesso.

PRAZER SILENCIOSO!

O anoitecer da nossa ilha são momentos de prazer silencioso!

Cartão de Visita do Facebook