A NOSSA OBRA DE SANTA ENGRÁCIA



Sempre que se passa junto do estaleiro de construção da nossa nova biblioteca caímos na tentação de pensar que o nosso país e, portanto, a nossa terra, devem ser o paradigma do desleixo. Esta obra, que começou há tantos anos que nem dá para recordar, continua parada causando vários prejuízos à população. Desde logo privando-a de utilizar um edifício já com um elevado nível de investimento, quando a nossa pequenina biblioteca lá se vai debatendo com a evidente falta de espaço, governando-se com a sua pequena garagem e a voluntariedade de quem a dirige. E nem interessa sequer averiguar onde está a origem deste desleixo, porque o que está profundamente errado é aquilo que está a acontecer.

A PESCA DO CERCO EM PENICHE




Os textos que publico entre aspas fazem parte de notícia inserida no sítio da Câmara Municipal. Da sua leitura ressalta a ideia que, afinal, tudo vai bem no sector da pesca do cerco , ao contrário da ideia, generalizada, de que a mesma está em crise. Será que foi preciso reduzir o número de unidades de meia centena para meia dúzia para se atingirem níveis de sustentabilidade da mesma? Se é assim neste caso e se pretende a extensão da prática a outras actividades da pesca, então a nossa terra e o seu povo pouco vão beneficiar do galardão.

“Decorreu no passado dia 15 de Janeiro de 2010, no Auditório da Escola Superior de Turismo e Tecnologia do Mar, a atribuição do certificado de qualidade MSC (Marine Stewardship Council) à Sardinha portuguesa”

“A obtenção desta certificação por parte da sardinha portuguesa, a única espécie da Península Ibérica e a 60ª a nível mundial a possuir tal certificação, comprova a existência de práticas que tendem a minimizar o impacte ambiental causado e que contribuem para a sustentabilidade desta pescaria. Na prática, pretende-se que estas práticas sejam continuadas e adoptadas por todos os operadores (produtores e industriais), de forma a aumentar a cadeia de valor da sardinha portuguesa. Este processo é de extrema relevância para a economia local de Peniche, em virtude do número significativo de activos existentes que dependem directamente da pesca (1500 a 1700) e ao volume de pescado transaccionado em lota, que fazem de Peniche o porto de pesca mais importante a nível nacional.”

“As capturas da ANPOCERCO - que representam 95% da produção de sardinha em Portugal (com um nível de captura anual superior a 50 000 toneladas) - podem agora ser portadoras do eco-rótulo azul do MSC, que é reconhecido internacionalmente. A certificação abrange todas as embarcações de pesca costeira da Associação (com mais de 9 metros de comprimento), cuja actividade principal é a pesca do cerco. Esta concertação de esforços e partilha de co-responsabilidades entre produtores, industriais e cientistas, constitui uma acção concreta ao nível da gestão integrada e sustentabilidade dos recursos piscícolas nacionais, que importa replicar para outros recursos marinhos e que vai de encontro aos objectivos constantes no Livro Verde das Pescas.”

AINDA O NATAL PENICHEIRO



Também no ambito do Natal Penicheiro acabo de assistir ao concerto do nosso Coral Stella Maris e ficaria mal comigo se não fizesse uma referência ao facto.
A sua actuação teve muita dignidade e dirijo aos seus membros uma palavra de estímulo para que a obra continue.
É preciso que, para além do estímulo, se concretize o apoio, sempre necessário, de quem de direito, para que seja possível interessar e integrar os jóvens da nossa terra.

CONCERTO DE EXCELÊNCIA

Integrado na organização NATAL PENICHEIRO concretizou-se ontem a realização de um concerto, de excelente qualidade, em que actuou o grupo vocal JOVENS VOZES DE LISBOA, sob a direcção musical de Nuno Lopes e a participação dos solistas Helena Vieira e Ricardo Soler.
São actuações deste tipo e qualidade que elevam o nível cultural das cidades e seus povos.
Quem não assistiu terá perdido um excelente momento cultural.
O meu agradecimento e parabéns à organização.
(A fotografia publicada é mais uma gentileza de Carlos Tiago)

JANTAR DE HOMENAGEM AO PROFESSOR ANTÓNIO ALVES SEARA

Por tanta luta, tanta dedicação e tanto sonho ...
O nosso profundo agradecimento, o nosso respeito e o nosso afecto ...
Um grupo de ex-alunos do Professor Seara vai promover um Jantar de Homenagem a este insigne Pedagogo no próximo dia 6 de Fevereiro, pelas 20.00 horas, no Restaurante “O Paraíso do Foz“
(Alto do Foz, EN 247, nº 92 - Peniche).
Esta merecida e singela homenagem está aberta a todos os seus ex-alunos (da Escola Primária, do Ensino Recorrente e Educação Extra-Escolar, do Externato Atlântico e do Ensino Comercial), ex-colegas de profissão e amigos, os quais gostaríamos de associar a este momento.
Todos os que desejarem associar-se a esta manifestação de amizade e reconhecimento deverão inscrever-se na “Escola Velha”, junto da Professora Ilda Lopes, ou no Restaurante “Paraíso do Foz” ou, ainda, através de qualquer um dos contactos abaixo indicados, impreterivelmente até ao dia 01 de Fevereiro de 2010.

O preço do Menu é de 22,00€/pessoa

Contactos para Informações:
António José Cação – 934 126 639
António José Romão – 966 343 577
Francisco Félix – 965 486 288
Francisco Domingos – 961 135 166
Joaquim Raul Farto – 961 116 099
Restaurante “Paraíso do Foz” – 262 709 490

Grupo de ex-alunos

Nota -
Tomo a liberdade de pedir aos leitores desta página que façam chegar a notícia aos possíveis interessados.

AS SETE MARAVILHAS “NATURAIS” DE PORTUGAL


Vi, com gosto, o anúncio da candidatura de alguns pontos da nossa costa ao título de MARAVILHA “NATURAL” DE PORTUGAL e manifesto o meu agrado se isso se concretizar.
Permita-se-me que chame a atenção para o facto de, porque a candidatura é, objectivamente, a maravilha natural, daí que tenha colocado a palavra entre aspas, não se poder pensar que apenas com a sua condição de natural possam vir a ter êxito.
Pretendo com isto salientar a necessidade de se tratar da envolvência dos locais escolhidos para que, a intromissão de situações estranhas e algum desalinho, não prejudique o que é natural.

QUE SAUDADE!!!!!!!

Cartão de Visita do Facebook