PUTOS DA MINHA RUA





O título deste post é, também, o título do livro que o nosso conterrâneo Raul Leitão, um dos putos desta rua, acabou de lançar, como as imagens documentam. Nele relata factos vividos e ocorridos na sua meninice e não só, no geito agradável de escrever a que já nos habituou. Entre a numerosa assistência estavam muitos outros putos desta rua, o que lhe deve ter sido agradável de constatar.



O autarca, a fábrica de conserva e a sardinha.



Compreendo e louvo o esforço do senhor presidente da Câmara no sentido de preservar 40 postos de trabalho se se concretizar o encerramento da fábrica Ramirez.

Porém, meditemos no argumento que é atribuído à administração da Ramirez e que abaixo reproduzimos:

“A saída de Peniche deve-se não só à “necessidade de concentrar” toda a atividade fabril numa única fábrica, mas também às “dificuldades de aprovisionamento de matéria-prima, nomeadamente sardinha”, em Peniche.


Aqui temos que pôr a mão na consciência e perguntar, perante o quase desaparecimento da frota da sardinha, porque não se fez nada para preservar a frota que tínhamos e os inerentes postos de trabalho?

A VISITA DO VELEIRO TARA


“TARA Expedições, desde 2003 a defender o ambiente e a investigação tendo por símbolo e instrumento uma embarcação mítica o TARA, veleiro construído para condições extremas. Este veleiro percorreu cerca de 250 000 kms nos oceanos e realizou 10 expedições para estudar e compreender o impacto das mudanças climáticas e da crise ecológica nos OCEANOS. A sua missão científica consiste em analisar o impacto da poluição devida ao plástico no mar mediterrânico. A bordo, entre a tripulação e os investigadores contam-se uma quinzena de membros do TARA expedições. Portugal foi escolhido como uma das últimas etapas do mítico veleiro antes de regressar a Lorient, o seu porto de base. O navio fará uma escala em Portimão e uma outra em Peniche durante o mês de Novembro.



O Tara, ao passar por Peniche, veio, em nome da França, manifestar o seu apoio ao projecto da Associação David Melgueiro.

www.davidmelgueiro-org.pt/




O robot philae aterrou no cometa com sucesso


A humanidade está de parabéns o robot Philae aterrou com sucesso no cometa.
Talvez um dia os homens consigam um modo de pacificar o mundo!

MOCIDADES


Não senhor, não é o que pensam!
É uma amostra dos diversos fardamentos da Mocidade da Antiga Alemanha Democrática.

MAIS UM PASSO DE GIGANTE


Mais um passo de gigante na aventura do homem no espaço.

Quando há pessoas que põem em causa a presença do homem na Lua, aqui está um novo desafio para o avanço da ciência nesta matéria.

É uma operação dirigida a centenas de milhões de quilómetros de distância.

O Porto de Peniche vai receber mais de 27 milhões

O Porto de Peniche vai receber mais de 27 milhões de euros de investimento que, segundo o Governo, “garantem a criação esperada de 400 empregos até 2018”. “O primeiro passo é a recuperação e reconversão dos estaleiros”, seguindo-se “mais três unidades industriais na área da transformação de pescado”, divulgou o gabinete do secretário de Estado do Mar.

Numa nota de imprensa, a mesma fonte informou que “o Ministério da Agricultura e do Mar acaba de garantir a recuperação dos Estaleiros Navais de Peniche através da autorização de entrada de novos accionistas que se propõem investir, até 2018, mais de 14 milhões de euros que podem garantir cerca de 300 empregos”.
http://www.diarioleiria.pt/noticias/peniche-investimento-de-27-milhoes-cria-400-empregos

O MURO – (25 anos depois)




Na nossa terra não vai haver sessões evocativas da sua queda, nem vamos comemorar um acontecimento que foi distante de nós !!!

Porém ninguém nos priva, felizmente, de fazer uma reflexão do significado daquela demolição, mesmo só entre cada um de nós, e perguntar o porquê de alguns ainda continuarem a construir, por enquanto, pequenas paredes. 

Não lhes terá chegado o exemplo do MURO DE BERLIM?



Regulamento de Actividades de Caravanismo e Campismo Ocasional

Nota Justificativa
O Município de Peniche tem sido alvo, nos últimos anos, de um aumento considerável de atividades associadas ao campismo, fruto da presença inquestionável de valores naturais, culturais e urbanos.
A utilização desregrada dos referidos espaços naturais coloca, inevitavelmente, em risco o seu equilíbrio e a sua continuidade futura, bem como, a integridade e segurança das populações locais.
 O Decreto-Lei n.º 310/02, de 18 de dezembro, atribui às Câmaras Municipais competência em matéria de licenciamento do exercício da atividade de acampamentos ocasionais.
Nessa sequência, surge a elaboração do presente regulamento, onde são estatuídas as normas que regimentam situações de acampamentos ocasionais e caravanismo.
 O presente Regulamento, elaborado ao abrigo do artigo 18.º do Decreto-Lei 310/2002, de 18 de dezembro, regula o regime de Atividades de Caravanismo e Campismo Ocasional, fora das áreas adequadas para o efeito, no Município de Peniche.”

Ora analisemos os factos:
Decreto-Lei 310/2002 de 18 de Dezembro

Artigo 18.º 
Licença 
1 - 
A realização de acampamentos ocasionais fora dos locais adequados à prática do campismo e caravanismo fica sujeita à obtenção de licença da câmara municipal, devendo ser requerida pelo responsável do acampamento e dependendo a sua concessão da autorização expressa do proprietário do prédio. 
2 - A realização de qualquer acampamento ocasional fica sujeita à emissão de parecer favorável das seguintes entidades: 
a) Delegado de saúde; 
b) Comandante da PSP ou da GNR, consoante os casos. 
3 - A licença é concedida por um período de tempo determinado, nunca superior ao período de tempo autorizado expressamente pelo proprietário do prédio, podendo ser revogada a qualquer momento.

Entre aquilo que são os poderes conferidos pelo Decreto-Lei 310/2002 de 18 de Dezembro e aquilo que a Câmara pretende instituir vai alguma diferença, que me parece estar na interpretação do que é um acampamento temporário. Ao ler-se, com a devida atenção o destacado a amarelo, relativamente ao artigo 18º, constata-se, ao que me parece, que acampamento temporário será uma concentração de campistas, utilizando tenda, caravana ou autocaravana, por tempo limitado, com determinado objectivo, sob a responsabilidade de alguém que, isso sim, foi previamente licenciado pela Câmara. Daí que me pareça que evocar o Dec.- Lei 310/2002 de 18 de Dezembro para regulamentar o acto de estacionamento de autocaravanas, ao ponto de proibir a abertura de janelas laterais, sem distinguir se são as janelas do habitáculo de condução ou da zona de convívio, é matéria, no mínimo, abusiva.

Frota diversificada é chave para uma pesca sustentável?



Data:31 de Outubro de 2014
Fonte: Universidade da Califórnia - Santa Barbara
A preocupação com a pesca é generalizada em todo o mundo. Ao longo das últimas décadas, uma forte discussão tomou lugar sobre como gerir melhor a pesca para beneficiar os ecossistemas e os seres humanos. Grande parte da discussão tem-se centrado na preservação da diversidade biológica, uma componente crítica para ecossistemas saudáveis. Um aspecto que recebe menos atenção é o papel da diversificação da frota de pesca.
As frotas de pesca podem ser diversificadas, em muitos aspectos, incluindo o caminho que usam, os pesqueiros que visitam e quando e as espécies a que se dirigem. Um novo estudo realizado por um pesquisador da Escola Bren de Ciência e Gestão Ambiental na Universidade da Califórnia, Santa Barbara sugere que a diversificação da frota é importante para o sucesso de gestão de pesca, e pode até, mesmo, melhorar a sustentabilidade da pesca

Nota – Para leitura completa do artigo, fica o caminho:


http://www.sciencedaily.com/releases/2014/10/141031133547.htm?utm_source=feedburner&utm_medium=email&utm_campaign=Feed%3A+sciencedaily%2Fplants_animals%2Ffisheries+%28Fisheries+News+--+ScienceDaily%29

O SNR DR. FRANCISCO FÉLIX EXPÔS A SUA ARTE







Rodeado de muitos amigos, como as fotografias documentam, e não podendo ser de outra maneira, o Snr. Dr. Francisco Félix fez a apresentação, uma a uma, das fotografias e foi dando as explicações respectivas.

Nas palavras, emocionadas, que pronunciou na abertura, fez questão de salientar a influência que seu pai António Félix e seu mestre António Seara tiveram, neste seu gosto pela geologia.

Da troca de impressões que se seguiu à sua apresentação, resultou a ideia de este seu trabalho poder extravasar as fronteiras de Peniche, dada a valia, que entendidos presentes, lhe atribuem.

Se assim for, apenas se fará justiça ao real valor da pessoa e do seu trabalho.









PRAZER SILENCIOSO!

O anoitecer da nossa ilha são momentos de prazer silencioso!

Cartão de Visita do Facebook